Acordamos às 6h30min depois de uma ótima noite de sono, nosso ônibus para Calafate sai às 8 horas, tomamos café no hostel e sobraram alguns minutos pra escrever e enviar um e-mail para única pessoa com quem me comuniquei no Brasil em toda viagem, uma pessoal muito especial. Antes das oito já estávamos prontos para embarcar, compramos água para a viagem e tomamos nossos assentos, em aproximadamente uma hora de viagem já estávamos em Cerro Castillo novamente prontos para deixar o Chile e ingressar novamente na Argentina. Durante a viagem fizemos mais uma parada rápida no mesmo posto de combustíveis que paramos na ida para ao Chile. Em seguida, em torno das 13 horas, chegamos de volta à Calafate.

Fomos direto para a estação rodoviária comprar nossa passagem para El Chaltén, nosso objetivo era chegar lá no mesmo dia, e conseguimos. A partida do ônibus para Chaltén era às 16h30min. Ainda em Calafate fomos procurar um lugar para almoçar, ali aconteceu outro fato muito engraçado, enquanto estávamos sentados aguardando nosso almoço, chegaram ao restaurante dois jovens chineses, estes, certamente por não saberem ler e nem falar o espanhol chamaram o garçom e ficavam apontando com os dedos para os pratos das outras pessoas indicando aquilo que queriam comer, enfim, conseguiriam fazer seu pedido.

Nosso almoço foi um gigantesco bife milanesa e um prato de saladas, em seguida fomos dar uma volta pelas lojas de artesanatos comprar algumas coisas para levar para o Brasil. Compramos camisetas, chaveiros e alguns adesivos. Ao comprar nossa passagem para Chaltén ganhamos um mapa turístico da cidade e logo fomos estudando e pensando em como seria nossa logística após chegar lá.

As 16h30min estávamos na rodoviária prontos para embarcar no ônibus para Chaltén, uma viagem rápida de pouco mais de 2 horas de duração, mesmo assim, deu pra tirar uma bela soneca e descansar um pouco. Acordei em algum trecho da rodovia Ruta 40 às margens do Lago Viedma com o belo visual dos Cerros Fitz Roy e Torre ao fundo.

A rodovia às margens do Lago Viedma sentido Chaltén é uma reta quase interminável, sempre com visual das montanhas ao fundo. Ainda no ônibus vimos no mapa que ganhamos a indicação de dois mirantes bem próximos à cidade, o Mirante dos Condores e o Mirante das Águias. Como já era final da tarde, pensamos em ir ver o por do sol lá de cima de algum destes mirantes, assim, já começaríamos nossa aventura em Chaltén logo na chegada.

29+
Fim de tarde no Cerro Fitz Roy.

Logo que desembarcamos no terminal rodoviário, nos dirigimos para o Mirante de Los Condores, uma trilha de 1 km até o alto de uma montanha localizada na entrada da cidade. O visual lá de cima era muito legal, uma visão panorâmica da pequena cidade com o Cerro Fitz Roy e muitas outras montanhas ao fundo, tiramos muitas fotos do por do sol deste dia.

Após tirar um monte de fotos e curtir o por do sol em Chaltén, descemos de volta para a cidade e fomos procurar um Hostel para passar a noite. Passamos por vários, alguns lotados, alguns com valor da diária caro demais, assim, acabamos optando pelo Hostel Cerro Torre Cabañas. O lugar era quente e confortável, com diversas cabanas para acomodar os aventureiros.

30+
Pôr do Sol no Cerro Fitz Roy.

Tomamos um banho quente, organizamos nossas acomodações e partimos em busca de um mercado para reabastecer nossos suprimentos para os próximos dias. Logo em seguida fomos procurar um restaurante para o nosso primeiro jantar na cidade, encontramos o Ahonikenk, um lugar com várias opções de gastronomia como carnes, massas, pizzas, sopas e atividades no mínimo curiosas, após o jantar eles oferecem aos clientes alguns jogos de lógica com peças para montar e encaixar. Assim foi nossa chegada e nosso primeiro dia na pequena e distinta Chaltén. Retornamos para nossa cabana para dormir cedo e nos preparar para a aventura do próximo dia.

O Trajeto – El Chaltén

Assim como para Torres Del Paine, havíamos feito uma programação para os percursos de El Chaltén. Pensamos em caminhar por três dias pelas trilhas e deixar o último dia livre para qualquer eventualidade ou até mesmo para repetir alguma trilha não percorrida por causa do mau tempo. Em Chaltén as possibilidades de aventura são muitas, caminhadas então, nem se fala, é possível caminhar meses por lá sem repetir nenhuma trilha, no entanto, nossa opção foi pelas seguintes: Laguna de Los Três (trilha até a base do Cerro Fitz Roy), Laguna Torre (trilha até a base do Cerro Torre) e Pliegue Tumabo.

Nosso objetivo era percorrer o trajeto até a Laguna de Los Três, passar a noite no acampamento Poincenot e dali seguir direto para a Laguna Torres, fazendo um percurso triangular conforme mostrado no mapa abaixo. Após realizar estes dois trajetos, pretendíamos retornar a Chaltén para passar a noite num Hostel e no outro dia percorrer o Pliegue Tumabo. As trilhas em Chaltén são um espetáculo a parte, atravessamos belos bosques e na saída de cada um deles um visual sensacional de montanhas e vales.

31

Transcrição do diário da viagem por: Cristiano da Cruz e Paulo Adair Manjabosco

Data do Relato: 15 a 30/03/2014

Texto e Fotos: Cristiano Da Cruz

11021070_10204793054479848_9021972409366032381_n

Contato: www.indiadabuena.com.br

0 Comentários

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

dezessete − oito =

Leitura anterior
Viajar é o melhor jeito de aprendermos sobre nós mesmos!
Próxima leitura
Cem Dias Entre Céu e Mar – Amyr Klink